Fale conosco

chamapoetica@gmail.com

ou

fernandalmeidaprado@gmail.com

quinta-feira, 4 de março de 2010

SARAU LUA ADVERSA - Biblioteca SP - 07/03

MOTIVO – CECÍLIA MEIRELES

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

APRESENTAÇÃO – CECÍLIA MEIRELES


“Aqui está minha vida - esta areia tão clara
com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui está minha voz - esta concha vazia,
sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui está minha dor - este coral quebrado,
sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui está minha herança - este mar solitário,
que de um lado era o amor e, do outro, o esquecimento.”

REINVENÇÃO – CECÍLIA MEIRELES

A vida só é possível
reinventada.
Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pelas águas, pelas folhas...
Ah! tudo bolhas
que vem de fundas piscinas
de ilusionismo... — mais nada.
Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.
Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projecto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.
Não te encontro, não te alcanço...
Só — no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só — na treva,
fico: recebida e dada.
Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.

DISCURSO – CECÍLIA MEIRELES

E aqui estou, cantando.
Um poeta é sempre irmão do vento e da água:
deixa seu ritmo por onde passa.
Venho de longe e vou para longe:
mas procurei pelo chão os sinais do meu caminho
e não vi nada, porque as ervas cresceram e as
serpentes
andaram.
Também procurei no céu a indicação de uma
trajetória,
mas houve sempre muitas nuvens.
E suicidaram-se os operários de Babel.
Pois aqui estou, cantando.
Se eu nem sei onde estou,
como posso esperar que algum ouvido me escute?
Ah! Se eu nem sei quem sou,
como posso esperar que venha alguém gostar de mim?

LEVEZA - CECÍLIA MEIRELLES

Leve é o pássaro:
e a sua sombra voante,
mais leve.

E a cascata aérea
de sua garganta,
mais leve.
E o que lembra, ouvindo-se
deslizar seu canto,
mais leve.
E o desejo rápido
desse mais antigo instante,
mais leve.
E a fuga invisível
do amargo passante,
mais leve.



EPIGRAMA Nº 8 - CECÍLIA MEIRELLES

Encostei-me a ti, sabendo bem que eras somente onda.
Sabendo bem que eras nuvem, depus a minha vida em ti.
Como sabia bem tudo isso, e dei-me ao teu destino frágil,
fiquei sem poder chorar, quando caí.


Sarau Chama Poética "Lua Adversa" domingo 07 de março 15h

Com declamações de poemas de Cecília Meireles e um refinado repertório musical.

Na primeira parte o pianista Gilberto Ferri se apresenta ao piano e Fernanda de Almeida Prado declama os poemas de Cecília. Em seguida ouviremos a belíssima voz de Carmen Queiroz, acompanhada ao violão por Marcelo Meneses. No roteiro poético, declamações de Alex Dias e Francesca Cricelli. Com produção de Alex Dias e direção de Fernanda de Almeida Prado.

Local: tenda tensionada
Entrada franca

Biblioteca de São Paulo
Av. Cruzeiro do Sul, 2630
Santana - 02031 000
fone 11 2089 0800
ao lado da estação Carandiru de metrô

LUA ADVERSA


Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...

Cecília Meireles

Um comentário:

  1. Eu estava lá nesse dia e adorei o sarau!
    Parabéns queridos!
    Abraços...

    ResponderExcluir